Galinha Pintadinha vai virar filme

VÍDEOS PARA CRIANÇAS BATERAM 1 BILHÃO DE VISUALIZAÇÕES NO YOUTUBE
VÍDEOS PARA CRIANÇAS BATERAM 1 BILHÃO DE VISUALIZAÇÕES NO YOUTUBE

Os criadores de um dos maiores fenômenos infantis do Brasil – a “Galinha Pintadinha”, planejam lançar a versão para o cinema. Os empresáriosJuliano Prado e Marcos Luporini (de Campinas – SP), apostam  na simplicidade e profissionalismo para manter o sucesso.

A sala da empresa com jeito de startup é um convite ao “império” da mascote que encanta as crianças e também reativa lembranças de pais e mães ao animar músicas antigas e de domínio público, entre elas, “Ciranda Cirandinha” e “Atirei o pau no gato“. Embora o “bichinho azul” esteja associado a 600 produtos licenciados e tenha vendido 1,5 milhão de CD’s, DVD’s e blurays, o que gera faturamento expressivo e mantido em sigilo, os sócios dispensam  pressão na equipe de trabalho.

Quem é a Galinha Pintadinha

Os que não convivem com crianças pequenas talvez não saibam quem é a tal Galinha, nem tenham ideia do poderio econômico do bichinho. Trata-se de uma personagem infantil, existente na imaginação popular há décadas, que em 2006 ganhou uma representação específica pelas mãos dos dois sócios. Eles a colocaram em animações básicas, cantando músicas infantis conhecidas e de domínio público, como “Atirei o pau no gato” ou “O sapo não lava o pé”. Hoje, a mascote percorre o país em shows, estampa centenas de produtos, como roupas, fraldas e tablets, e estimula a venda de aplicativos para celular.  Os Vídeos da Galinha Pintadinha bateram 1 bilhão de visualizações no YouTube em fevereiro de 2014. O Canal é o primeiro do Brasil a atingir a marca no site de vídeos do Google.

Sem grandes pretensões, o negócio que recebeu um “não” , virou sucesso lucrativo

Os amigos Juliano Prado e Marcos Luporini, publicaram um vídeo no site Youtube, em dezembro de 2006, para apresentá-lo em uma reunião com produtores de TV em São Paulo. O projeto não foi aprovado, e o clipe ficou esquecido em meio a tantos outros vídeos na internet.

Acabou sendo “descoberto” por crianças e pais, e virou um hit. Seis meses depois, já ultrapassava a marca de 500 mil visualizações –número expressivo para a época.

“O trabalho não era para ficar popular, mas sim para uma pessoa em São Paulo que a gente queria mostrar e não houve acordo (risos). “A gente estava quase engavetando o projeto… Se eu tivesse deletado, tudo isso poderia sumir”, diverte-se o administrador.

Antes da “Galinha Pintadinha” tornar-se o foco da carreira da dupla, o administrador de 42 anos fazia cartões virtuais. Ele recorda que o plano dele e de Luporini, em 2003, era produzir um DVD formado por 13 clipes infantis com diferentes personagens. “Gostava de produção gráfica, fotografia e vídeo sempre me fascinaram. O Marcos é produtor musical e trabalhava em estúdio com arranjos. Foi dessa junção que surgiu o primeiro clipe”, explica Prado.

Juliano Prado e Marcos Luporini criadores da galinha pintadinha
Juliano Prado e Marcos Luporini criadores da galinha pintadinha

Segundo o administrador, os criadores da personagem tiveram de retirar dinheiro da poupança para custear o projeto inicial então avaliado em R$ 20 mil, além de pagar os desenhistas que apostaram na ideia e continuam como parceiros. Além de promover acordos e ter cuidado em investimentos, a manutenção de uma equipe enxuta facilita o trabalho. “Quando começa com produto novo, tem que começar com mínimo, só gastar quando mais definido. Quanto mais pessoas, a rede fica mais complexa e começa a perder contato”, avalia.

O FILME

O músico Marcos Luporini explica que os benefícios financeiros e a projeção da personagem infantil não alteraram os hábitos dos sócios. “Somos pessoas simples e de alguma forma isso imprime no projeto, as pessoas sentem” diz Luporini de 43 anos, que estudou música na Unicamp e cursou publicidade e propaganda pela USP.

Entre os objetivos dos empresários está a produção de um longa metragem, com previsão de estreia para 2016. De acordo com Prado, a dedicação ao projeto irá começar após a equipe de trabalho concluir o  DVD 4 da “Galinha Pintadinha“. Além disso, os empresários querem conquistar públicos no México, Espanha, Argentina e Estados Unidos. “O filme será musical, estamos desenvolvendo uma linguagem visual diferenciada e vamos aproveitar as experiências do teatro. Certamente será o público mais novo de todos os tempos”, brinca o administrador.

Sobre a polêmica relacionada à marca, o administrador é categórico ao dizer que a empresa busca somente garantir os direitos pela representação criada por eles, uma vez que a personagem é domínio público.

“A gente teve que aprender muito sobre direito autoral. Você pode fazer a sua ‘Galinha Pintadinha’, desde que ela não seja igual a nossa, basicamente isso. Tem gente que usa nossas artes, logotipo…está enganando as pessoas.” Contudo, ele alega que ações consideradas simples valorizam a marca e também ajudam iniciativas de outros comerciantes. “O pessoal que faz docinho, biscuit, touquinha de crochê na verdade é uma força, está na cultura. O artesanato é benéfico, não considero pirataria”, diz Prado.

A Bromelia Filminhos, onde funciona o ninho da “Galinha Pintadinha”, ganhou sede própria há três anos, após o projeto ter origem em um home office improvisado no quintal da casa de Prado. Sobre os diferenciais da personagem, ele não titubeia. “As músicas, que têm conexão com as crianças e já foram testadas por nossas avós. Nossos desenhos têm simplicidade.”

Futuro da personagem

Em relação às expectativas sobre o futuro da personagem, os sócios dizem: “A gente quer transformá-la em um personagem clássico brasileiro, que essa criançada que hoje é fã, daqui a 20 e poucos anos, recomende a ‘Galinha Pintadinha’. Aí será o grande sonho de todos”, suspira Prado. O músico complementa o planejamento da empresa. “A gente quer ficar por gerações.”