Dia das Crianças 2018: Compra de brinquedos deve estar aliada à segurança; veja algumas dicas

Associação e ONG alertam para perigos que podem ir junto com brinquedos

Na sexta-feira (12 de outubro) é feriado do Dia das Crianças e de acordo com a Proteste (Associação Brasileira de Defesa do Consumidor), é fundamental que os adultos prestem atenção para não terem problemas no dia tão esperado pelas crianças.



Entre os principais itens que devem ser observados na hora de pegar uma caixa na loja, segundo a Proteste, é a segurança, principalmente se a criança que vai receber o presente tem até cinco anos de idade. É nessa faixa etária em que ocorre a maior parte dos acidentes com brinquedos. Pesquisa realizada pela ONG Criança Segura mostra que crianças de até três anos de idade estão mais sujeitas a engasgos, pois tendem a colocar os objetos na boca e acabam o engolindo.

Anualmente, mais de 700 crianças morrem vítimas de sufocamentos, e outras 73 mil são hospitalizadas por quedas relacionadas a brinquedos, informa a ONG. Outro aspecto bastante importante é verificar do que é feito aquele brinquedo, qual material. PVC, por exemplo, pode ser tóxico. A informação deve constar na embalagem. Desde 1992, a certificação de brinquedos é obrigatória no Brasil.

Brinquedos comercializados no mercado informal podem oferecer riscos, como a presença de metais pesados (chumbo, cádmio, tintas etc.) ou de bordas cortantes. Veja no quadro ao lado as principais dicas para um Dia da Criança seguro.

Veja alguns cuidados que devem ser observados na hora de comprar um brinquedo
> Procure o selo do Inmetro, que verifica itens como partes pequenas ou cortantes, presença de elementos químicos perigosos, possibilidade de pegar fogo e limites de ruído.
> Escolha brinquedos adequados à idade e à fase de desenvolvimento da criança. Essas informações devem constar da embalagem do produto.
> Leia os avisos de segurança e as instruções de utilização. Se não existirem ou não estiverem em português, pegue outro brinquedo.
> A embalagem também deve trazer a identificação e o endereço do fabricante ou do importador, fundamentais para o caso de algum acidente.



> Antes de entregar o presente à criança, retire o brinquedo da embalagem, sobretudo se for um saco de plástico, que pode causar asfixia.
> Passe a mão pelas arestas, pontas e bordas e certifique-se de que não existe o risco de machucarem a criança.
> Confira se o brinquedo tem peças pequenas (que passem por um rolo de papel higiênico), como rodas, olhos ou botões, que possam ser arrancadas facilmente, aspiradas e engolidas.
> Máximo cuidado para brinquedos com fios compridos: eles devem ter menos de 22 cm para que a criança não consiga enrolá-lo no pescoço.
> Para os bebês, que adoram levar brinquedos à boca, bonecos maleáveis em tecido, borracha ou madeira estão entre os mais adequados e têm tudo para agradar.
> Certifique-se de que as pilhas estão num compartimento fechado com parafuso, que só pode ser aberto com chave de fenda.
> Se optar por bicicletas, preste atenção nas rodinhas. Elas são o ponto de apoio para a criança que ainda não tem equilíbrio para pedalar.
> Ensine a criança a guardar os brinquedos após a brincadeira. Guardando em um local seguro, previne quedas e outros acidentes.