Super Bowl 2019: New England Patriots e LA Rams disputam a final do futebol americano

O quarterback Tom Brady comandou mais uma vez o Patriots para a conquista de mais um título

Certamente não foi o jogo mais emocionante do mundo, mas os mais de 70 mil torcedores que lotaram o Mercedes-Benz Stadium na noite de domingo, dia 3 de fevereiro em Atlanta, não vão esquecer tão cedo o Super Bowl 53 entre Patriots e Rams, reeditando a final de 17 anos atrás. E mais uma vez deu New England: 13 a 3 com participação decisiva de Tom Brady e Bill Belichick.



É o sexto título da franquia de Boston (igualando a marca do até então maior vencedor, Pittsburgh Steelers). Tom Brady fez história ao garantir o sexto anel de campeão e, aos 41 anos, tornar-se o jogador com mais conquistas na NFL, superando Charles Haley. Já Belichick igualou os Hall da Fama George Halas e Curly Lambeau como únicos treinadores com seis títulos.

Agora, a dupla Brady/Belichick tem nove Super Bowls no currículo, com seis vitórias e três derrotas. As defesas se destacaram mais que os ataques, o que fez do confronto o Super Bowl com menor placar na história. Os 16 pontos somados de Patriots e Rams ficaram bem abaixo dos 21 combinados do Super Bowl VII, em 1973, quando o Miami Dolphins venceu o Washington Redskins por 14 a 7 (partida de menor placar até então).

Hightower, Gilmore, McCourty e Van Noy comandaram a grande atuação defensiva dos Patriots e pararam um dos ataques mais potentes da temporada. Mas o prêmio de MVP ficou com o wide receiver Julian Edelman, que, apesar de não ter feito o único touchdown do jogo, recebeu 141 jardas de passe.



O show do intervalo contou com a festa da banda Maroom 5 e dos rappers Travis Scott e Big Boi. Mas não empolgou muito, não. Pelo menos para quem estava no estádio. Um grande palco em forma da letra M foi montado rapidamente, e drones formaram a frase “One Love”.