CBF perde mais um patrocinador depois de escândalos

CBF perde mais um patrocinador depois de escândalos
Sede da CBF no Rio de Janeiro

A CBF confirmou nesta sexta-feira (05-fev) que a Michelin encerrou seu contrato de patrocínio com a entidade. Com isso, a CBF perde seu quarto patrocinador nos últimos meses. Antes, Procter & Gamble, Sadia e Petrobrás, atual momento econômico que o país atravessa e escândalos envolvendo a alta cúpula da Fifa e CBF foram determinantes na decisão dos patrocinadores que não querem ter seus nomes associados ao desfio de dinheiro e prisões dos cartolas.

Segundo nota oficial da CBF, o encerramento do contrato foi feito “em comum acordo e dentro dos prazos estabelecidos”. O acordo com a Michelin foi assinado em 2014 e previa duração de cinco anos, mas tinha cláusula que possibilitava a revisão do patrocínio após decorridos dois anos.

A notícia de que a o acordo seria rompido começou a circular no início da noite de quinta-feira, mas a CBF não havia confirmado a informação. Horas mais tarde, a entidade publicou em seu site uma nota destacando o patrocínio de outra empresa de pneus à Copa do Brasil.

A CBF passa pela maior crise da sua história, com vários ex-presidentes sendo investigados pela Justiça norte-americana sob acusações de corrupção são apontados os casos de Ricardo Teixeira, Marco Polo del Nero, que recentemente se afastou do comando da entidade, e José Marin Marin, detido em prisão domiciliar nos Estados Unidos em um apartamento de alto padrão em um dos endereços mais caros de Nova Iorque.