Policia francesa identifica mais dois terroristas suicidas

Policia francesa identifica mais dois terroristas suicidasA polícia de francesa já identificou seis dos sete terroristas que participaram dos atentados de Paris na sexta-feira (13-nov) que deixaram 129 mortos e 352 feridos, dos quais 99 em estado crítico. O responsável por organizar os atentados é um homem belga de origem marroquina Abdelhamid Abaaoud, de 28 anos e o primeiro dos autores dos ataques de Paris identificado pela polícia, Ismael Omar Mostefai, é supostamente filho de uma portuguesa e de um argelino

Outro identificado foi um dos suicidas que atuou no Stade de France e que carregava um passaporte com o nome de Ahmad Al Mohammad, nascido na Síria em 10 de setembro de 1990, esclareceu o órgão em comunicado.

O terceiro é um dos terroristas da casa de shows Bataclan, Samy Amimour, nascido em 15 de outubro de 1987 em Paris, e pelo qual a França tinha lançado um mandato de detenção internacional. Já haviam sido identificados Ibrahim Abdeslam, Bilal Hadfi e Omar Ismail Mostefai. Todos eram franceses, mas Abdeslam e Hadfi vivam na Bélgica.

As autoridades europeias buscam ainda Salah Abdeslam, que está foragido. Ele pode ter alugado um dos carros usados nos atentados, encontrado no fim de semana com um arsenal de fuzis AK-47.

Mentor
Abaooud, morou no distrito de Molenbeek, em Bruxelas, e está desaparecido desde janeiro, quando a célula terrorista da qual era líder foi desmantelada. As investigações vinculam a autoria dos atentados de Paris a uma célula desmantelada no início do ano em Verviers, da qual Abaaoud era o líder, que teria planejado o massacre da Síria, de onde manteve contato direto com os terroristas suicidas, informou a imprensa belga.

Promotores da Bélgica disseram que sete pessoas foram detidas após operações em Bruxelas depois dos ataques.

A polícia belga, em cooperação com autoridades francesas, promoveram operações no fim de semana depois que dois carros com placas belgas foram encontrados em Paris, um deles perto da casa de shows Bataclan, onde ocorreu o ataque mais sangrento, e outro perto do cemitério Père Lachaise. (Com agências internacionais)