Tragédia em Minas Gerais: moradores de Bento Rodrigues retornam para casas que restaram

Moradores de Bento Rodrigues retornam para casas que não forma atingidas em desastre
Morador observa destruição do distrito de Bento Rodrigues após rompimento de barragem

Com medo de saques, moradores do distrito de Bento Rodrigues, em Mariana (MG), estão retornando para as casas que não foram atingidas depois do rompimento da barragem de rejeitos de mineração na quinta-feira (5-nov). As buscas por pessoas ilhadas foram retomadas na manhã desta segunda-feira (09-nov).

Há um temor com relação a saques nas 22 casas que escaparam do acidente na parte alta do distrito. A Prefeitura de Mariana estimava, na sexta-feira, que 90% das construções da cidade estavam destruídas, mas os imóveis restantes, sem água nem energia, também foram desocupados pelo poder público.

A prefeitura confirmou mais seis desaparecidos no distrito, fazendo subir para 19 as pessoas que supostamente estão sob a lama que destruiu a cidade. As 13 pessoas que estão desaparecidas eram funcionárias da empresa Samarco, que pertence à brasileira Vale e à australiana BHP e é responsável pela barragem.

O risco de rompimento das barragens do Fundão e Santarém da mineradora Samarco em Mariana foi alvo de alerta em 2013 pelo Instituto Prístino, instituição particular sem fins lucrativos que realizou um estudo na região a pedido do Ministério Público Estadual.

Moradores de Bento Rodrigues retornam para casas que não forma atingidas em desastre
Helicóptero sobrevoa distro de Bento Rodrigues após rompimento de Barragem

Análises do Serviço Geológico do Brasil indicam a possibilidade de os rejeitos de minério chegarem ao Espírito Santo nas próximas 48 horas. É possível que a enxurrada de lama já tenha atingido afluentes do Rio Doce, 100 quilômetros longe de Mariana.

A lama lançada dos reservatórios deixou cerca de 300 famílias desabrigadas nos distritos de Camargos, Paracatu de Baixo e Bento Rodrigues, além da cidade de Barra Longa. Pelo menos 500 pessoas tiveram de ser resgatadas só de Bento Rodrigues, que fica mais perto da mina da Samarco, segundo balanço divulgado na sexta-feira pela Defesa Civil.

Um inquérito civil público já foi aberto pelo MP para apurar as causas da tragédia. Segundo a promotoria, a investigação se concentrará no possível descumprimento de normas técnicas na manutenção da estrutura. A barragem estava em processo de alteamento (levantamento para aumentar a capacidade). Isso pode ter influenciado na ruptura. O MPE apura ainda se uma explosão em uma mina da Vale influenciou no desastre que atingiu o distrito de Bento Rodrigues.

acidente-barragem-beto-rodrigues-1