Primeira vacina contra dengue é aprovada no Brasil

A primeira vacina contra a dengue no país foi registrada na segunda-feira (28-dez) para comercialização pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Chamada de Dengvaxia, o medicamento foi produzido pelo laboratório francês Sanofi Aventis. O produto ainda precisa ser aprovado pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologia do SUS para que seja adotado no sistema público de saúde. O governo irá avaliar o benefício da vacina, o custo e futuro impacto epidemiológico.

Segundo a Anvisa, o dossiê de registro foi entregue pela Sanofi em março deste ano. Para a liberação, a agência avaliou a qualidade, a segurança e eficácia do medicamento contra a dengue. O produto é indicado para pessoas entre 9 e 45 anos e protege contra os quatro tipos do vírus da dengue.

Para as outras faixas etárias, ainda não há dados suficientes que comprovem a segurança do uso da vacina. O imunizante deve ser aplicado em três doses, em um intervalo de seis meses. Sua eficácia global é de 65,6%, a proteção contra os casos graves da doença é de 93% e a redução de internações chega a 80%.
Para cada tipo do vírus, a eficácia varia. Contra o tipo 1, ela fica em 58,4%. Contra o tipo 2, 47,1%. Já contra o tipo 3, a vacina atinge 73,6%. O percentual mais elevado é no tipo 4, 83,2%.

Primeira vacina contra dengue é aprovada no BrasilA vacina não tem efeito contra os zika vírus e a febre chikungunya. O valor de cada dose ainda será definido pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos, processo que dura cerca de três meses. O medicamento deve começar a ser vendido no primeiro semestre de 2016. Antes do Brasil, México e Filipinas já haviam liberado a vacina da Sanofi.

O Instituto Butantan, em São Paulo, também desenvolve uma vacina contra a dengue. O projeto conta com a parceria de laboratórios dos EUA. No início de dezembro, a fase 3 dos testes havia se iniciado, a última antes de a vacina ser submetida à avaliação da Anvisa.