Conta de luz fica mais barata a partir de fevereiro

A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) aprovou na terça-feira (26-jan) as novas mudanças no sistema de bandeiras tarifárias que devem baratear a conta de luz a partir de fevereiro. A expectativa é que o consumidor note uma queda de cerca de 3% na tarifa de energia elétrica, que subiu 51% no ano passado.

A principal novidade anunciada pela Aneel é a criação de um novo patamar da bandeira vermelha, que será mais barato. No primeiro patamar, a cobrança adicional ficou definida em R$ 3,00 pelo consumo de 100 kWh, o que representa uma redução de 40% em relação ao valor atual (R$ 4,50). Já a bandeira vermelha 2 continua a encarecer a conta em R$ 4,50 a cada 100 KWh consumidos.

A cobrança extra da bandeira amarela também será reduzida, de R$ 2,50 para R$ 1,50 por 100 kWh. A verde continua não adicionando qualquer valor à conta de luz. Criadas em 2015, as bandeiras tarifárias têm como objetivo sinalizar para o consumidor as condições do sistema elétrico, de sobra ou escassez de energia, e ao mesmo tempo arrecadar recursos para custear o uso das termelétricas.

nova-bandeira-tarifaria-energia-eletricaA bandeira verde será acionada sempre que o custo das térmicas fica abaixo de R$ 211,00 por MWh. A amarela entrará em vigor quando o custo ficar entre esse valor e R$ 422,00 por MWh.

Para a bandeira vermelha 1 ser acionada, o custo das térmicas deve ficar entre R$ 422,00 e R$ 610,00 por MWh. A vermelha 2 passará a vigorar para valores acima desse patamar.

A Aneel definirá apenas na próxima sexta-feira qual bandeira vigorará no mês de fevereiro. Como não houve desligamento de térmicas neste mês, é provável que a bandeira continue vermelha, no primeiro patamar.

Com isso o custo adicional para o consumidor, cairia dos atuais R$ 4,50 para R$ 3,00. Mas o impacto da redução da bandeira tarifária na conta de luz pode ser pequeno, reconhece o diretor-geral da Aneel, Romeu Rufino.

Para uma tarifa de R$ 50,00 para cada 100 kWh consumidos, até janeiro, paga-se um adicional de R$ 4,50. Com esse custo caindo a R$ 3,00 em fevereiro, a queda seria, portanto, de uma conta de R$ 54,50 para R$ 53,00, um recuou de 2,75%. Rufino disse que a redução dos valores cobrados nas bandeiras foi possibilitada pela queda do consumo de energia no país e pela entrada em operação de novas usinas, que reduziram a necessidade de uso de termelétricas mais caras em comparação com 2015.