Vendas de 5 marcas de extrato e molho de tomate são suspensas pela Anvisa por ‘excesso’ de pelo de roedor

marcas-extrato-de-tomate-venda-proibidaA Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proibiu a comercialização e a distribuição de quatro lotes de extrato de tomate das marcas Amorita, Predilecta, Aro e Elefante, além de um lote de molho de tomate tradicional da marca Pomarola.

A punição às cinco marcas se deu com base em laudos que detectaram matéria estranha indicativa de risco à saúde humana (pelo de roedor) acima do limite máximo de “tolerância” pela legislação vigente.

As decisões da Anvisa estão publicadas em resoluções no Diário Oficial da União (DOU) desta quinta-feira (28-jul). As empresas terão de recolher os estoques dos produtos existentes no mercado.

A primeira refere-se ao lote L 076 M2P e validade de 01/04/2017 do extrato de tomate Amorita, fabricado por Stella D’Oro.

A segunda, ao extrato de tomate Predilecta lote 213 23IE e validade 03/2017 da Predilecta Alimentos.

A terceira, trata do molho de tomate tradicional Pomarola lote 030903 e validade 31/08/2017 e também do extrato de tomate Elefante lote 032502 e validade 18/08/2017 fabricados pela Cargill Agrícola.

O que dizem as empresas

Cargill
A empresa informou ter tomado conhecimento da determinação da Anvisa com relação aos lotes citados e que está trabalhando na adoção das medidas necessárias em decorrência de tal determinação. A empresa reitera o compromisso com o cumprimento de todas as normas de segurança dos alimentos e padrões de higiene. Assegura ainda que os produtos dos referidos lotes não oferecem qualquer risco à saúde de seus consumidores. A Cargill diz estar à disposição para os esclarecimentos que se façam necessários, e que os consumidores podem recorrer ao SAC 0800 648 0808) para o esclarecimento de dúvidas referentes aos produtos e lotes em questão.

Predilecta Alimentos
Em nota, a empresa informou que o caso se trata de notificação realizada pela Diretoria de Vigilância Sanitária de Santa Catarina, acerca de lotes encontrado somente nessa região. A empresa mesmo não reconhecendo o defeito apontado, recolheu todos os produtos dos referidos lotes e tomou as providências que a legislação determina. Ainda de acordo com a empresa, o processo publicado no Diário da União está em fase de julgamento de recurso apresentado.

A empresa salienta que opera “dentro dos padrões nacionais e internacionais de acordo com a legislação vigente” e é auditada periodicamente por empresas e órgãos reconhecidos mundialmente. Além disso, “o controle de qualidade está presente em todas as etapas, desde o cultivo da lavoura até a saída do produto pronto. Toda embalagem possui um código que permite rastrear todas as informações referentes ao produto, desde o cultivo, até o processamento na indústria”, diz a nota.