Cerimônia de encerramento da Paralimpíadas Rio 2016; veja shows e fotos em evento marcado pela emoção

cerimonia-encerramento-paralimpiadas-rio-2016-melhores-momentos

Em um grande festa marcada por música e diversidade neste domingo (18/09) , a Cerimônia de encerramento da Paralimpíadas Rio 2016 emocionou o Maracanã e a todos que assistiram: um espetáculo no mesmo padrão das outras cerimônias que marcaram a Rio 2016, sem luxo ou extravagâncias mas com muita empolgação e animação. Os Jogos Paralímpicos Rio 2016 começaram no dia 07 de setembro com a cerimônia de abertura e foram 11 dias de competições.

O início com tecnologia e inclusão social
O evento foi marcado também pela inclusão social. Reproduzido no gigantesco telão da Panasonic colocado no palco, o Google Tradutor fez o papel de apresentador do espetáculo, que contou a todo instante com a união de artistas com e sem deficiência. O Maracanã celebrou as realizações de um país que não escondeu suas muitas carências, mas foi capaz de lidar com elas.




Resumo Completo da Cerimônia
A imagem de Mestre Batman no telão veio acompanhada de palavras de quem viu capacidade onde todo mundo apontava dificuldade. Foi dele a ideia de criar uma orquestra para surdos e introduziu os “Batuqueiros do Silêncio” no Maracanã, tudo reproduzido na linguagem de libras. Ao som da mistura de maracatu e samba, a cantora Gabi Amarantos iniciou a contagem regressiva para primeira queima de fogos da cerimônia e deu o recado:  – Vamos unir as diferenças na batida de um só coração.

Em seguida Armandinho levantou o público com sua guitarra baiana ao som do frevo misturado com o heavy metal de Andreas Kisser vocalista da banda Sepultura.  Johnatha Bastos, talento que ignorou o fato de ter nascido sem os braços, tocou guitarra com os pés e emocionou o público. Houve a apresentação do presidente do Comitê Paralímpico Internacional (IPC), Sir Philip Craven, e o hasteamento da bandeira brasileira.


encerramento-jogos-paralimpicos-rio-2016-hino-nacioanlO Hino Nacional
foi cantado pelo tenor Saulo Laucas. Com deficiência parcial da visão desde o nascimento, ele foi diagnosticado autista aos três anos de idade.

>>Delegações –  Os atletas já estavam no centro do gramados desde o início de cerimônia e começou o desfile das bandeiras dos 160 países que competiram no Rio, encerrado com a entrada de Ricardinho, craque do imbatível futebol de 5 do Brasil que foi ovacionado; ele estava com o “chamador” Luis Felipe, que fica atrás do gol dando dicas importantes sobre o posicionamento dos rivais para que os brasileiros tenham mais informações para formularem uma jogada. No dia 17 de setembro,com o Centro Olímpico de Tênis (no Parque da Barra, Rio de Janeiro) lotado, a seleção brasileira de futebol de cinco confirmou o favoritismo na competição e venceu o Irã por 1 a 0 e conquistou a medalha de ouro. O gol da vitória foi marcado por Ricardinho, aos 12 minutos do primeiro tempo. Esta é a quarta vez seguida que o Brasil ganha o ouro na modalidade.




>> Medalhas – O Brasil terminou as Paralimpíadas em 8º lugar com 72 medalhas (14 ouros, 29 pratas e 29 bronzes). Nos Jogos de Londres, em 2012, o país ficou em 7º lugar. A China ficou em primeiro lugar nas Paralimpíadas deste ano, com 239 medalhas: 107 de ouro, 81 de prata e 51 de bronze. Em segundo lugar, a Grã-Bretanha teve 147 medalhas no total, seguida pela Ucrânia, com 117, pelos Estados Unidos, com 115, e pela Austrália, com 81 medalhas.

A grande festa seguiu com muita música e celebrando as diferenças. Representando a fauna, flora, água e coração, Nação Zumbi, a cs cantoras Vanessa da Mata e Céu colocaram o público para dançar com um show de cerca de meia hora.

guitarrista-da-nacao-zumbi-mostra-fora-temer-durante-encerramento-da-paralimpiada-rio-2016>> Protesto “Fora Temer” na guitarra
No palco, um protesto: o guitarrista da Nação Zumbi exibiu os dizeres “Fora Temer”. Ele quebrou o protocolo durante a cerimônia e quando foi focado pelas câmeras virou a guitarra e exibiu o protesto.

A americana Tatyana McFadden recebeu juntamente com o refugiado sírio Ibrahim Al Hussein o prêmio Whang Youn Dai, pelos serviços prestados ao esporte. A atleta ganhou medalha de ouro disputando os 400m da classe T54 (competidores em cadeiras). Ela é dona de 16 medalhas paralímpicas, seis no Rio.

O cantor Saulo Fernandes cantou o clássico “One Love”, de Bob Marley, cercado por voluntários no palco central, emocionando mais uma vez o público do Maracanã.




O presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Carlos Arthur Nuzman iniciou seu discurso enviando uma mensagem à família do ciclista iraniano Bahman Golbarnezhad, que faleceu no último sábado (17/09) após acidente na prova de ciclismo de estrada no Rio de Janeiro: “Nossas orações estão com vocês e sentimos muito a sua perda”, disse Nuzman.
Carlos Arthur Nuzman foi ovacionado pelo público ao dizer: “Missão cumprida! Para muitos, era impossível. Para o Rio e o Brasil, não. O que era impossível aconteceu”. Ele ainda trouxe a mensagem de satisfação por tudo que foi realizado nas Olimpíadas e
Paralimpíadas dizendo que se encerra um “ciclo mágico” no país. O presidente do Comitê Paralímpico Internacional, Sir Philip Craven,  pediu um minuto de silêncio em homenagem a Golbarnezhad antes de se declarar aos cariocas: – A cada dia, você criaram um carnaval do esporte. Em uma cidade onde tudo mundo leva cartões postais, vou levar comigo a lembrança de vocês, cariocas fantásticos. Em decisão unânime, o Comitê Paralímpico Internacional vai entregar ao Rio e ao Brasil a maior honraria da ordem paralímpica.

>> Bandeira Paralímpica – O prefeito do Rio, Eduardo Paes, entregou a bandeira paralímpica ao presidente do Comitê Paralímpico Internacional, Philipp Craven, que entregou para a governadora de Tóquio, sede dos próximos Jogos Olímpicos e Paralímpicos em 2020. Os japoneses se apresentaram aos cariocas com um clipe relembrando sua relação com o movimento paralímpico, desde Tóquio 1964, encerrado com a apresentação da modelo amputada Gimico, do dançarino amputado Koichi Omae e da artista cega Akira Hiyama.

No palco Saulo Fernandes, Nego do Borel com Dream Team do Passinho, Gabi Amarantos e Calum Scott voltaram a dar o tom musical da festa antes de que cataventos apagassem a pira olímpica.

ivete_sangalo-paralimpiada-rio-2016>> Ivete Sangalo, ” A Paz” e Chama Paralímpica

A cantora entrou com um vestido longo, com decote, bem curtinho na frente todo branco e cantou “A Paz” música de Gilberto Gil que cita o Japão, próximo país sede das Olimpíadas e Paralimpíadas. Em seguida, a chama paralímpica foi apagada simbolicamente pelo vento e Ivete cantou o tema paralímpico em dueto com o inglês Calum Scott.

Para segunda parte de sua apresentação, bem mais dançante, Ivete Sangalo tirou a cauda de seu vestido e deixou suas pernas totalmente de fora, livre para fazer as coreografias de três de seus grandes sucessos. E para delírio do público que agitou o Maracanã, Ivete cantou “O Farol”, “Sorte Grande” e “Tempo de Alegria” e transformou de vez o estádio em um trio elétrico. No final da apresentação a artista dividiu o palco com Tom, o mascote Paralímpico 2016. E assim como no encerramento da Olimpíada do Rio, o evento também teve chuva, mas não atrapalhou o brilho da festa.



Galeria de fotos: