Receita Federal passa a usar dados de redes sociais para rastrear quem sonega imposto e omite bens na declaração

 




A Receita Federal começou a utilizar dados das redes sociais para rastrear sonegadores fiscais que omitem bens na declaração e depois exibem suas posses na internet, um exemplo clássico é o de ostentar carros de luxo, motos, barcos e casas. De acordo com a Receita Federal, é muito comum que esses sonegadores utilizem ‘laranjas’ para declarar como deles bens que omitem em suas declarações de renda.

>> Outro caso que será investigado será de pessoas que se declararam proprietárias de uma empresa, mas não possuem bens que podem ser penhoráveis em caso de dívida fiscal. Um cruzamento de dados com informações das redes sociais pode descobrir se esse contribuinte é um ‘laranja’, ou seja, não é o verdadeiro dono.

Nessas situações, o trabalho da equipe da Receita é identificar o verdadeiro proprietário da empresa devedora e cobrar dela a dívida. A análise de possíveis sonegadores é feita com base em um algoritmo que faz uma busca na internet em cima de determinadas palavras-chave. Essa varredura identifica possíveis perfis que passam a ser analisados mais profundamente pela fiscalização da Receita.




A Receita estima que as informações de redes sociais contribuíram com subsídios para o lançamento ou atribuição de responsabilidade tributária a mais de 2.000 contribuintes, que sonegaram mais de 1 bilhão de reais.

Um dos exemplos flagrados pela Receita está um vídeo de uma festa de fim de ano que foi postada no YouTube onde o proprietário falava para seus funcionários e para a Receita, ele se declarava apenas vendedor da mesma firma.

Leia também: 
Receita Federal começa a receber a declaração Imposto de Renda 2017; veja as novas mudanças; dúvidas; com baixar o programa e declarar