Black Friday 2018: Procon de São Paulo orienta consumidores na hora da compra em lojas on-line e físicas

Black Friday 2018

As principais empresas participantes da Black Friday vão se reunir com o Procon de São Paulo  para discutir pontos do código do consumidor. Em 2017, o resultado foi positivo pois as reclamações de clientes caíram em comparação a 2016. O objetivo é manter a queda de queixas nesta oitava edição, que acontece no próximo dia 23 de novembro. Segundo o Procon, as principais falhas registradas são descumprimento de ofertas e prazos e maquiagem de valores.



Nove entre dez consumidores que foram às compras na Black Friday em 2017 afirmam que repetiriam as compras em 2018. É o que aponta pesquisa de preços de produtos, com nove mil internautas. Se no geral há satisfação com a experiência da última edição, entre os consumidores que relataram problemas com a megaliquidação, os atrasos na entrega foram os mais frequentes (55%). A segunda maior queixa é a falta de estoque, relatada por 29% dos entrevistados.

Em 2017, as vendas na Black Friday tiveram alta de 10%, com faturamento de mais de R$ 2 bilhões. Neste ano, o plantão especial do Procon para a data vai começar às seis horas da tarde da quinta-feira e vai até o sábado, dia 24. As reclamações podem ser registradas por telefone, no site ou nas redes sociais da Fundação.

Atenção
A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) vai lançar, na segunda quinzena de novembro, nas redes sociais, uma campanha de alerta sobre golpes, com orientação sobre como evitá-los. Entre as principais recomendações está não clicar em links, principalmente se vierem em e-mails não solicitados. Ao clicar em um link desconhecido, o consumidor pode ser direcionado para uma página falsa, ou até instalar aplicativos maliciosos na sua máquina.



Caso receba uma ligação para confirmação de suposta compra no seu cartão, a qual não reconheça, a Febraban orienta não informar dados pessoais nem digitar sua senha ao telefone. Antes de fazer uma ligação para o banco, é preciso verificar se há sinal de discagem no seu telefone. A instituição alerta para o fato de que fraudadores podem usar técnicas para deixar a linha presa, para que o consumidor acredite que ligou para seu banco e forneça seus dados.

Dicas importantes
O momento é de pesquisar: cheque preços em lojas físicas e on-line. Lembre que sites de comparação de preços costumam ter o histórico do valor do produto nos últimos meses, o que permite conferir se o desconto é vantajoso.

Reputação de sites
Durante a pesquisa, além de preço, é recomendado  investigar a reputação da empresa e do produto. Confira a lista de sites não recomendados pelo Procon-SP.



Guardar provas: Durante a pesquisa, é recomendado tirar print das páginas em que encontrou os melhores preços. Se os valores mudarem,  o consumidor terá como comprovar a fraude. Também é importante documentar cada uma das fases da compra. Em caso de cancelamento pela empresa, é importante ter em mãos o máximo de provas para facilitar a reposição do produto ou, se for necessário, ir à Justiça.