Estre inaugura máquina que reduz lixo de aterro em Paulínia

seta-voltar-paulinia

Foi inaugurado  no dia 27 de abril de 2011 pela Estre Ambiental em Paulínia a primeira usina da América Latina de produção de combustível para processos industriais a partir de resíduos sólidos. O novo equipamento avaliado em cerca de R$ 45 milhões vai retirar 15% das 4 mil toneladas do lixo urbano descartado diariamente no aterro sanitário da empresa, que recebe resíduo de 30 municípios e 800 empresas do Estado de São Paulo.

A empresa apresentou para a imprensa a máquina batizada de “Tiranossauro”, que vai triturar os resíduos sólidos até que eles se transformem em pedaços de 60 milímetros, para serem usados como combustível na produção de energia.

O material será utilizado em caldeiras e fornos de empresas de diversos segmentos, como metalúrgicas, olarias, indústrias de cimento e usinas termoelétricas.

Com financiamento através do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), a máquina tem capacidade para processar mensalmente 30 mil toneladas de lixo in natura, sendo que 60% desse volume serão transformados em combustível derivado de resíduos (CDR).

De acordo com o diretor da Estre, Dirceu Pierrô Júnior, cinco multinacionais das cidades de Paulínia e Americana, que estão em negociação com o aterro, já deram como certa a utilização da nova fonte de energia nas caldeiras, que atualmente são alimentadas por combustíveis fósseis, como carvão e petróleo.

Estamos nos testes finais do combustível. Quando finalizarmos, as empresas também vão testar nas próprias caldeiras para checar a qualidade e viabilidade da fonte de energia.

Triturar

EQUIPAMENTOS IRÁ TRANSFORMAR RESÍDUOS EM PEDAÇOS DE 60 MILÍMETROS

 

Segundo ele, a ideia é substituir integralmente os combustíveis fósseis pelo CDR nesses lugares. “Primeiro porque é uma fonte inesgotável, afinal, a produção de lixo só vai aumentar. Segundo porque é menos poluente, pois se trata de um material sem contaminantes”, explicou o diretor. O principal mercado do combustível derivado de resíduos serão as usinas de processamento de cana-de-açúcar, que operam próximo à região do aterro, bem como o coprocessamento em fornos de cimento.

O CDR é produzido durante todo o ano, podendo, inclusive, ser estocado, o que permitirá um ganho de eficiência permanente dos fornos.
Segundo o diretor de tecnologia ambiental da Estre, Pedro Steck, o CDR tem 4,5 mil quilocalorias (kcal) por quilo, enquanto a madeira tem 3,2 mil kcal e o carvão 6 mil kcal.

Ou seja, prova seu alto teor calorífico, não reduzindo a potência das caldeiras. Além disso, estamos falando de uma tendência mundial. Nos Estados Unidos e na Europa essa fonte de energia já se tornou muito comum. Em Roma, eles só tratam o lixo dessa forma, com quatro máquinas iguais a essa.

Tiranossauro

PLANTA DO EQUIPAMENTO BATIZADO DE TIRANOSSAURO