Estádio do Guarani é arrematado audiência pública na Justiça do Trabalho

O estádio Brinco de Ouro em Campinas  foi arrematado em audiência pública na Justiça do Trabalho na tarde de ontem pelo valor de R$ 105 milhões. A empresa dona do lance é a Maxion  Empreendimentos Imobiliários, de Porto Alegre. A juíza Ana Cláudia Torres Vianna, titular da 6ª Vara do Trabalho, prevê que em um ano a empresa já possa assumir o local como nova proprietária.

O valor será dividido em 30% na entrada e outras 12 parcelas iguais, sem condicionantes. O valor coloca fim às dívidas trabalhistas do clube, que somam R$ 60 milhões. Outros R$ 45 milhões ficam para o Guarani arcar com outras pendências, como as dívidas tributárias. Porém, o presidente do Bugre, Horley Senna, não aprovou a decisão.

O Guarani entrou com um pedido de embargo, argumentando que o valor é abaixo do mínimo estabelecido para o leilão. Além disso, contesta o aparecimento da empresa arrematante na reunião já que ela não tinha representantes presentes no último pregão e apareceu ontem para dar o lance. A preocupação é que a empresa não tem relação com o clube, o que torna mais difícil a relação.

Além disso, a Maxion já disse que não irá participar como parceira do Guarani, portanto, não há um projeto que ajude o Bugre futuramente para tornar-se saudável financeiramente. O presidente do Guarani saiu da audiência irritado com o resultado.

O secretário de Assuntos Jurídicos da Prefeitura de Campinas, Mário Orlando, afirmou que as três matrículas com doações da prefeitura ao clube não serão alteradas, portanto voltarão ao poder municipal. Assim, a empresa terá permissão para empreender apenas nas demais matrículas. Além disso, terão que arcar com as contrapartidas da área, como projeto viário, por exemplo.