Funcionários públicos de Sumaré mantém estado de greve até julgamento de dissídio coletivo

seta-voltar-sumare

Funcionários públicos de Sumaré mantém estado de greve até julgamento de dissídio coletivo
Servidores reivindicam reajuste salarial de 7,69%, prefeitura diz que greve prejudica atendimento

Os servidores públicos de Sumaré decidiram durante assembleia com o Sindissu (Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Sumaré) realizada na sexta-feira (16), continuar com o estado de greve até que seja julgado o dissídio coletivo da categoria pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo.

Os servidores iniciaram a paralisação entre os dias 10 de setembro a 06 de outubro (27 dias) e decidiram retornar ao trabalho, depois que o caso foi levado à Justiça, mas mantiveram o estado de greve.

No final de setembro, o sindicato entrou com um pedido de julgamento do dissídio coletivo de greve, já que não houve nenhum acordo com a Prefeitura para o reajuste salarial de 7,69%.

No final de setembro, a prefeitura entrou com outra ação na Justiça, pedindo a suspensão da greve, já que a paralisação estava prejudicando os serviços públicos. O Tribunal de Justiça analisou o pedido liminar da Prefeitura e determinou o retorno de 70% do efetivo, em cada setor.

Ainda não existe previsão para o julgamento do dissídio coletivo de greve, já que houve tentativa de conciliação entre a Prefeitura e o Sindicato, mas sem acordo entre as partes.