Greve dos Bancos: após 2 semanas bancários continuam paralisação

seta-voltar-campinas

Greve dos Bancos: após 2 semanas bancários continuam paralisação
Com a greve dos bancários Procon Campinas cria informativo sobre como proceder com pagamentos

Após 15 dias de greve com mais de 293 agências fechadas na região de Campinas, bancários e sindicato ainda não chegaram a um acordo para o fim da greve. Bancários reivindicam reajuste salarial de 16%, com piso de R$ 3.299,66, e Participação nos Lucros e Resultados (PLR) de três salários mais R$ 7.246,82.

A Febraban (Federação Brasileira de Bancos), oferece reajuste salarial de 5,5%, com piso entre R$ 1.321,26 e R$ 2.560,23. A Federação propôs ainda PLR pela regra de 90% do salário mais R$ 1.939,08, limitado a R$ 10.402,22 e parcela adicional (2,2% do lucro líquido dividido linearmente para todos, limitado a R$ 3.878,16), proposta que foi recusada pelo sindicato da categoria.

Foram também propostos os seguintes benefícios: auxílio-refeição de R$ 27,43, auxílio-cesta alimentação e 13ª cesta de R$ 454,87, auxílio-creche/babá de R$ 323,84 a R$ 378,56, gratificação de compensador de cheques de R$ 147,11, qualificação profissional de R$ 1.294,49.

O Procon de Campinas editou um informativo sobre como proceder com os pagamentos, juros e atendimento preferencial durante a greve do bancos. Vale ressaltar que algumas agências principalmente em Campinas continuam com atendimento ao público, recomenda-se antes de ir até a agência ligar para se informar quando a adesão na greve.

Para saber dos procedimentos criados pelo Procon clique aqui.