Valinhos implanta sistema pioneiro de câmeras de segurança

seta-voltar-valinhos

Valinhos implanta sistema pioneiro de câmeras de segurança
Cidade possui mais de 20 pontos com câmeras espalhadas em pontos estratégicos

A Segurança Pública de Valinhos passa a contar com novo sistema de videomonitoramento inédito em no país que deverá coibir, ainda mais, a criminalidade no município. Denominado ‘Valinhos, Cidade Protegida’ o sistema permite interligar câmeras de monitoramento do município com câmeras comuns instaladas em residências e comércios da cidade e radares, permitindo a leitura on-line das placas de veículos.

As imagens das câmeras são monitoradas 24 horas por guardas municipais em um único painel. São mais de 20 câmeras espalhadas em pontos estratégicos da cidade, entre os modelos Dome que permite uma visualização de 360 graus e com alcance de 5 km, as LCR (para leitura e identificação das placas dos veículos), e as de radares.

Entradas e saídas do município, regiões mais afastadas, espaços públicos e praças e parques estão sendo priorizados.

Segundo o Departamento de Segurança Municipal, o próximo passo será a interligação do sistema com as câmeras particulares em projeto que é pioneiro e possibilita a criação do policiamento comunitário virtual e em tempo real entre Prefeitura e moradores do município.

Valinhos implanta sistema pioneiro de câmeras de segurança
Central de monitoramento acompanha movimentação no município 24 horas por dia

Ao contrário do sistema de outras cidades da região, o sistema implantado em Valinhos dispensa o cadastro prévio dos veículos furtados ou roubados no sistema da Guarda Civil Municipal para que haja identificação. A leitura das placas é feita de forma on-line, por meio de ligação direta com o banco de dados da Secretaria Nacional de Segurança Pública.

Outra vantagem do sistema valinhense é o custo do projeto, cerca de R$ 590 mil, valor bem mais acessível que o gasto por cidades vizinhas com a aquisição de software para gerenciar as imagens.

O investimento no novo sistema foi de R$ 590 mil, valor proveniente de recursos do Fundocamp / Agemcamp (Agência Metropolitana de Campinas), por meio de projeto aprovado no Conselho de Desenvolvimento da RMC.