Após 13 dias, termina greve na Petrobras Paulínia

seta-voltar-paulinia

Após 13 dias, termina greve na Petrobrás Paulínia
greve em Paulínia deverá ter impacto importante na produção do mês de novembro

A greve na maior refinaria da Petrobras no país, a Replan Paulínia foi suspensa nesta segunda-feira (16-nov) após 13 dias. Segundo o sindicato da categoria, todos os trabalhadores do primeiro turno voltaram ao trabalho. A suspensão da greve foi decidida durante uma assembleia realizada na última sexta (13) com a Federação Única dos Petroleiros (FUP), quando os trabalhadores aceitaram a proposta da Petrobras para retornar à refinaria nesta segunda.

A equipe de contingência da petroleira foi mantida até a troca de turno na manhã desta segunda. O sindicato informou que não sabe se houve substituição de funcionários nessa equipe durante a greve.

Acordo
Os petroleiros entraram em greve contra a privatização da companhia, pediram a manutenção dos empregos e a garantia de condições seguras no trabalho. No acordo, firmado durante a assembleia da Federação, ficou definida a criação de um Grupo de Trabalho para discutir os pontos da pauta dos petroleiros pelo Brasil, reposição da inflação e avanços no benefício farmácia, entre outros.

A Petrobras informou que propôs às entidades sindicais um reajuste de 9,53% nas tabelas salariais e em outras parcelas remuneratórias. “Essa é a proposta definitiva da companhia e traduz o empenho máximo da empresa para atender às reivindicações dos empregados e seus representantes“, diz o texto.

A greve deverá ter impacto importante na produção do mês de novembro, ainda que a Petrobras tenha conseguido reduzir os reflexos do movimento com suas equipes de contingência.

No início da paralisação, a produção de petróleo e gás foi reduzida em mais de 10%. Recentemente, a estatal conseguiu contornar o movimento, reduzindo as perdas na produção para cerca de 5% do total produzido antes da paralisação.