Região de Campinas tem 12 pessoas presas ligadas à facção criminosa

seta-voltar-campinas

Região de Campinas tem 12 pessoas presas ligadas à facção criminosa
Polícia leva funcionário publico de Campinas preso em ação contra o crime organizado

Operação do Ministério Público (MP) e do Batalhão de Ações Especiais de Polícia (Baep) já prendeu 12 pessoas suspeitas de participarem da facção criminosa PCC em quatro cidades da região de Campinas. Cartas provenientes de presídios e cadernos de anotações da organização criminosa estão entre os materiais apreendidos, pelo Baep.

Nesta quarta-feira (2-dez) a prefeitura de Campinas exonerou um funcionário comissionado A.C.F. que foi preso na terça-feira (1º) quando chegava para trabalhar no paço municipal, o acusado negou envolvimento. O homem preso era assessor da Secretaria de Relações Institucionais e atuava junto às comunidades carentes para passar demandas para a administração municipal.

A operação desarticulou as principais lideranças de uma facção que atuava no estado, que agiam diretamente nas negociações de armas, drogas ou como influência, segundo o MP. As ambições da facção eram participar da política regional.

Prisões
O balanço divulgado pela Polícia Militar contabilizou nove prisões em Campinas, uma em Sumaré, uma em Hortolândia e outra em Americana. Outras duas pessoas foram presas nas cidades de Ubatuba e Presidente Epitácio. Ao todo, a operação teve 15 mandados de prisão.

A operação do Ministério Público começou em abril deste ano e é um desdobramento de outras ações do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).