Forte temporal em Barão Geraldo deixa Unicamp alagada

seta-voltar-barao-geraldo

Forte temporal em Barão Geraldo deixa Unicamp alagada
Em alguns pontos somente ônibus conseguiam passar devido ao volume de água

O temporal (70,8 mm) que atingiu a região norte de Campinas principalmente o distrito de Barão Geraldo na tarde de quarta-feira (02-mar) alagou vários pontos da Unicamp e provocou muitos estragos no campus. O volume de chuva que caiu em 70 minutos seria o esperado para um período de 15 dias.

Ventos que chegaram a 74,3 km/h derrubaram árvores. Uma delas, no Ciclo Básico, atingiu dois carros. Cerca de 60 carros ficaram debaixo d’água e alguns setores da universidade também foram prejudicados. Motoristas desesperados tentavam segurar os veículos e salvar objetos, mas alguns carros foram arrastados pela enxurrada.

Forte temporal em Barão Geraldo deixa Unicamp alagada
Estacionamento do campus da Unicamp ficou alagado e carros submersos

O Instituto de Ciências Sociais teve alas invadidas pela água, assim como o Instituto de Matemática. No STU (Sindicato dos trabalhadores da Unicamp), o setor de acervo também sofreu com a forte chuva.

A Unicamp informou no final da tarde que ainda contabilizava os estragos, mas que as aulas ocorriam normalmente. Foram, no total, 70 minutos de chuva, que também foram suficientes para alagar a estrada da Rhodia, com a correnteza forte de água que descia pela via.

A universidade informou que as atividades do Campus voltaram ao normal nesta quinta-feira (3-mar), quando um balanço atualizado dos estragos será divulgado. As aulas não foram suspensas, mas a tempestade diminuiu a frequência de estudantes nas classes.

Forte temporal em Barão Geraldo deixa Unicamp alagada
Estrada da Rhodia támbem teve pontos de alagamento devido a forte chuva

A queda de uma árvore de grande porte sobre fios da rede elétrica deixou cerca de duas mil casas sem energia elétrica até as 18h00. Próximo ao Centro Médico, uma motorista que tentou atravessar a enxurrada teve que ser resgatada.

Alagamentos não são comum na região Norte da cidade. Segundo a Defesa Civil de Campinas, o alagamento do estacionamento, foi provavelmente causado pela queda de um talude (barranco) e obstrução no escoamento das galerias.

Apesar dos estragos ocorridos, segundo o com o Corpo de Bombeiros que atendeu a ocorrência, não houve vítimas apenas danos materiais.