Audiência no MP do Trabalho tenta colocar fim à greve no transporte público em Paulínia

seta-voltar-paulinia

onibus-greve-paulinia
Greve entra no sexto dia consecutivo e ainda em acordo

O Ministério Público do Trabalho da 15ª Região, em Campinas faz audiência entre os diretores da empresa de transportes Passaredo e representantes do sindicato dos motoristas de ônibus nesta segunda-feira (20-jun) para tentar colocar fim a greve dos motoristas em Paulínia que já dura seis dias. A audiência tem como objetivo a tentativa de conciliação do dissídio coletivo.

A audiência foi requerida pela Prefeitura de Paulínia, que participará por meio de representantes, por conta da greve do serviço de transporte coletivo que chega ao sexto dia. A administração reajustou no começo dessa semana em 9,8% (INPC dos últimos 12 meses) a tarifa do transporte, elevando o valor para R$ 2,85. Para a população, o preço permanece  em R$ 1,00.

A Prefeitura de Paulínia criou na última quarta-feira (15-jun) uma comissão para investigar possíveis irregularidades no contrato de concessão do serviço. “A comissão poderá recomendar uma possível intervenção no serviço ou até mesmo a rescisão contratual da Prefeitura com a empresa [Viação Passaredo]”, diz nota da prefeitura de Paulínia.
O Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários e Anexos de Campinas e Região informou que os funcionários entraram em greve para reivindicar reajuste salarial de 14% e que a empresa não apresentou nenhuma proposta. Ainda segundo o sindicato, há cinco anos o valor da tarifa não é ajustado e a empresa só iria negociar em novembro.

Segundo a Prefeitura, 30 mil passageiros utilizam o serviço diariamente. A greve também teve adesão de parte dos funcionários que atuam no transporte escolar. A administração pública informou que a empresa LLC Transportes foi comunicada sobre a aplicação de multa diária de R$ 81,7 mil, caso haja “descumprimento das obrigações contratuais”. Sobre o transporte escolar, que afetou a locomoção de 9 mil crianças.

O sindicato da categoria informou que nesta manhã tiveram uma assembleia com a empresa, mas nenhuma proposta foi apresentada, portanto a greve continua até que se chegue ao reajuste pedido pela categoria.

 

seta-voltar-paulinia