Helicóptero que seguia para Americana cai na região de Jundiaí

helicoptero-modelo-Bell_407
Helicóptero que seguia para Americana era um modelo Bell 407 para cinco passageiros

Destroços de um helicóptero que caiu na região da cidade de Jundiaí, foram encontrados na manhã desta segunda-feira (26-jun) pelo Corpo de Bombeiros. Não ouve registro de sobreviventes segundo a Força Aérea Brasileira. O modelo tinha capacidade para 6 pessoas (incluindo o piloto).

O helicóptero, um modelo Bell 407 era pilotado pela comandante Jovilde A. Calisctil e perdeu o contato com controle na região de Cajamar. Os passageiros da aeronave haviam saído de São Paulo e tinham como destino a cidade de Americana, para um jogo de tênis.

Estavam no helicóptero o empresário Geraldo Vágner de Oliveira, Osmar Marchini, Wágner Lanzoti e Francisco Rebolo.

Em nota a FAB disse que “Em função das condições de visibilidade e das características geográficas da região, foi deslocado um helicóptero Águia da PM de São Paulo para o local, que confirmou que se tratava dos destroços da aeronave desaparecida e que, lamentavelmente, não haviam sobreviventes“. Uma equipe do (SERIPA IV) foi deslocada para o local da ocorrência para iniciar as investigações sobre o acidente.

A Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) informou que a documentação do helicóptero estava em dia, tanto o certificado de aeronavegabilidade, quanto o documento de inspeção anual de manutenção.

O helicóptero era de propriedade de Alexandre Costa, fundador da Cacau Show, e do empresário Geraldo Vagner de Oliveira e estava em nome de Safra Leasing S.A. Arrendamento Mercantil. Em nota, Costa informou que vendeu sua parte na aeronave para Oliveira, embora ainda não tenha recebido o valor de sua parte, nem alterado a documentação do veículo.

As buscas foram suspensas no domingo por conta da forte neblina que atingiu toda a região. Diversas equipes de resgate foram deslocadas para o local da possível queda.

local-queda-helicoptero-Jundiai
Local da queda do helicóptero em jundiaí na manhã de domingo (Foto: Corpo de Bombeiros)

Em nota, a Associação Brasileira de Pilotos de Helicóptero (Abraphe) informou que “com mais de 13 anos na aviação civil e mais de 4.500 horas de voo, Cmte Jovilde era habilitada em PCH – Piloto Comercial de Helicóptero, instrutora, checadora com certificação na área de Flight Safety – CENIPA 03196. Foi chefe de cabine e instrutora de voo da Gol Linhas Aéreas. Também atuou no offshore e a frente de operações de táxi aéreo para empresas de renome da aviação por asa rotativa em São Paulo”.