Campinas registra 138 casos de H1N1 com 17 mortes em 2016

seta-voltar-campinas

 

Um boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria Municipal de Saúde na terça-feira (26-jul) informa que a cidade de Campinas registrou 138 casos de H1N1 desde o início do ano. Deste total, 17 pacientes não resistiram a doença e acabaram morrendo. O município também teve um caso de gripe B que evoluiu para cura. No ano passado, Campinas não apresentou registros de H1N1 e teve quatro contaminações por gripe B.

 




De acordo com a Secretaria de Saúde, entre as 17 mortes confirmadas por H1N1, dez são homens e sete são mulheres. Cinco pessoas que morreram tinham mais de 60 anos e o restante pertencia à faixa etária entre 28 e 59 anos. Além disso, 14 vítimas tinham algum fator de risco como doenças crônicas. Segundo o médico infectologista da Secretaria de Saúde, Rodrigo Angerami, se analisar um histórico mensal da doença, os casos de H1N1 reduziram em Campinas, mas é necessário que a população redobre os cuidados. “O período de alta incidência é o inverno e ele ainda não terminou. Por isso é importante lavar bem as mãos e evitar locais fechados. Os casos foram caindo no decorrer dos meses porque tivemos alta cobertura vacinal”, conta Angerami.

Em Campinas foram aplicadas 242.775 doses da vacina nos grupos prioritários (idosos, crianças entre seis meses e cinco anos, gestantes, trabalhadores da saúde) e 71 mil em pessoas com doenças crônicas. A campanha de vacinação contra a gripe terminou no dia 30 de junho, mas os centros de saúde que ainda têm as doses continuam aplicando as vacinas.
Entre as principais ações que devem ser feitas para evitar a contaminação pelo vírus Influenza A H1N1, estão;

  • Lavar sempre as mãos, principalmente após tossir e espirrar. Para lavar a mão, deve-se utilizar água e sabão -ou, ainda, álcool 70%. Para utilizar o álcool, é importante não estar com as mãos visivelmente sujas;
  • Utilizar lenços descartáveis;
  • Deixar o ambiente sempre ventilado;
  • Cobrir boca e nariz sempre que espirrar ou tossir;
  • Não tocar na região dos olhos, nariz e boca sem que a mão esteja limpa;
  • Não compartilhar objetos de uso pessoal, como garrafas, copos e talheres;
  • Evitar contato com pessoa doente, evitando abraços, beijos e apertos de mão;
  • Evitar aglomerações em épocas em que o número de casos da doença for alto.