Hospital Celso Pierro da PUC Campinas se prepara para nova forma de atendimento

seta-voltar-campinas

Hospital-Celso-Pierro-PUC-Campinas
Novo sistema tem a função de dar mais fluxo à rede de atendimento e priorizar casos mais graves

O Hospital Celso Pierro da PUC Campinas, se prepara para atender apenas pacientes que tenham sido encaminhados de outros hospitais ou serviços de resgate. O sistema deverá entrar em vigor nos próximos meses. De acordo com o secretário municipal de Saúde Cármino de Souza, o novo sistema que foi chamado de “atendimento referenciado” tem a função de dar mais fluxo à rede de atendimento.

Dado da Secretaria de Saúde, mostra que 80% dos pacientes que buscam atendimentos de urgência e emergência na rede pública em Campinas são considerados de baixo risco e poderiam ser atendidos em unidades básicas de saúde e assim desafogando o sistema atual.




Tentando modificar este cenário, a prefeitura prepara mudanças, a primeira alteração será informatizar a metodologia de classificação de risco em seis unidades de saúde (UPA Centro, PA Campo Grande, PA Anchieta, PA São José e os hospitais Mário Gatti e Ouro Verde) e, com isso, os pacientes que passarem por estes locais vão receber uma pulseira com a cor indicando o tipo de gravidade do atendimento. “O paciente que receber a pulseira azul ou verde vai entender caso um paciente com pulseira vermelha, que é uma classificação grave, seja atendido antes dele”, disse o secretário de Saúde.

A secretaria de saúde treinou 100 funcionários que vão atender nessa nova modalidade nas seis unidades da rede pública. A partir daí, será testado o funcionamento da medida nas unidades da prefeitura e, logo em seguida, migrar o atendimento do Celso Pierro para a modalidade referenciada.

É importante esclarecer que porta referenciada não é porta fechada. Quem chegar no Celso Pierro e precisar de socorro será atendido prontamente. Omissão de socorro não pode existir. Estamos discutindo tudo com o Hospital Celso Pierro e preparando toda a rede básica. Isso pode levar dois, três meses e até mais. Não há prazo”, disse Cármino.