Greve dos bancários 2016 já é a maior em 12 anos:acompanhe as negociações-veja serviços disponíveis dos bancos; como pagar contas e outras operações bancárias

greve-bancos-2016-brasil

A greve dos bancários 2016 foi a maior paralisação da categoria em 12 anos, segundo a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT). Em  2004 foram 30 dias de paralisação.   Nesta quinta-feira – 06 de outubro, a greve chegou a 31 dias.




>FIM DA GREVE

Após 31 dias de paralisação chega ao fim em 12 estados e no Distrito Federal a greve nos bancos em 2016.

Em assembléia realizada nesta quinta-feira – 06 de outubro, os bancários resolveram aceitar a proposta feita pela Federação Nacional do Bancos (Fenaban).

 

Propostas
A última proposta apresentada pela Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) havia sido no dia 29 de setembro, quando foi proposto reajuste de 7% e um abono de R$ 3,5 mil, com aumento real de 0,5% para 2017. Os bancários consideraram a proposta insuficiente. Desde o começo da campanha salarial, pedem reajuste salarial de 14,78%, sendo 5% de aumento real. Uma nova assembleia foi  realizada em 03 de outubro em São Paulo e sem acordo a decisão tomada foi por continuar a greve, informou o Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região. Nesta quarta-feira (05 de outubro) a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) fez nova proposta  aos trabalhadores.  A greve começou dia 6 de setembro.




Como ficaram as negociações finais
Após concordarem com a proposta da Fenaban em assembleias por todos o país, os bancários terão 8% de aumento salarial, pagamento de abono de R$ 3,5 mil, reajuste do vale-alimentação de 15% e aumento de 10% nos vale-refeição e auxílio-creche. O acordo proposto pelos bancos tem validade de dois anos. Para 2017, os salários serão reajustados pela inflação (INPC/IBGE), mais 1% de aumento real.

> Com a decisão, algumas agências bancárias abrirão normalmente nesta sexta-feira, 07 de outubro.

>> LEIA TAMBÉM: Fim da greve dos bancários 2016:veja como ficaram as negociações nos bancos; saiba quais regiões do Brasil encerraram ou continuam a greve

Os bancários pediam a reposição da inflação do período mais 5% de aumento real (totalizando 14,78% de reajuste), valorização do piso salarial – no valor do salário mínimo calculado pelo Dieese (R$ 3.940,24 em junho) e PLR (participação nos lucros) de três salários mais R$ 8.317,90.

No Brasil foram quase 14 mil agências (60% de todas as agências do país) fechadas devido a greve. De acordo com o Banco Central, o país tem 22.676 agências bancárias instaladas, segundo último balanço. Em 2015, os bancários pararam por 21 dias e conseguiram um reajuste de 10%, com ganho real de 0,11%. O sindicato estima que mais de 28 mil trabalhadores participaram da paralisação.

 




>> Quais serviços disponíveis  e atendimento com a greve nos bancos?
Em nota, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) lembra que os clientes podem usar os caixas eletrônicos para agendamento e pagamento de contas (desde que não vencidas), saques, depósitos, emissão de folhas de cheques, transferências e saques de benefícios sociais.
Nos correspondentes bancários (postos dos Correios, casas lotéricas e supermercados), é possível também pagar contas e faturas de concessionárias de serviços públicos, sacar dinheiro e benefícios e fazer depósitos, entre outros serviços.

** Pagar contas
O cliente do banco pode utilizar internet banking e aplicativos para celular do banco para efetuar o pagamento. Para isso, confira se as senhas os aplicativos estão funcionando e vá a agências ainda não paralisadas para atualizá-las. Os caixas eletrônicos e correspondentes bancários, como agências lotéricas, Correios também recebem pagamentos de contas. Nesses canais também é possível pagar contas e faturas de concessionárias de serviços públicos, sacar benefícios e fazer depósitos, entre outros serviços.

Em caso de dificuldade, o cliente pode entrar em contato com a empresa e pedir alternativas para realizar o pagamento como um depósito em conta no caixa eletrônico ou transferência bancária. É importante registrar o pedido, enviando por e-mail ou anotando o número de protocolo de atendimento. Caso o fornecedor não dê opções para pagar a conta, o consumidor deve usar esses documentos para reclamar junto a um órgão de defesa do consumidor.




** Transferências de dinheiro
É possível fazer por internet banking, celular, caixa eletrônico e atendimento por telefone.
Atenção: os valores das transferências podem ser limitados por esses canais, dependendo do seu perfil de renda e padrão de gastos. Se existe a previsão de uma transferência nos próximos dias, procure uma agência que ainda esteja funcionando

** Investimentos e resgates
Também podem ser feitos por internet, aplicativo, caixa eletrônico e central de atendimento por telefone. Seja qual for o canal de atendimento, lembre-se de pesquisar o rendimento oferecido e as taxas cobradas para aplicar ou resgatar o dinheiro aplicado

** Empréstimos e financiamentos
Os bancos também oferecem crédito pessoal em condições pré-aprovadas nas plataformas de atendimento eletrônico. Lembre-se, no entanto, que as taxas nessas modalidades costumam ser altas e devem ser usadas apenas em emergências.

>>Para quem precisa renegociar dívidas, os grandes bancos oferecem plataformas de renegociação sem atendimento ou então permitem o envio de propostas pela internet. A documentação para financiamento imobiliário é entregue na agência. Esse tipo de crédito tende a ficar suspenso durante a greve.




Serviços da Caixa Econômica Federal 

A Caixa informa que conta com extensa rede de atendimento alternativo pelo país, incluindo lotéricas e correspondentes e lojas da rede “Caixa Aqui”, que também pagam benefícios sociais como Bolsa Família, Seguro-Desemprego e FGTS, entre outros serviços.

Na internet ou com ajuda do celular, clientes da Caixa Econômica Federal podem realizar transações bancárias, como transferência entre contas, TED e DOC, pagamento de faturas, de boletos, de prestação habitacional e de contas de água, luz, telefone e tributos, além de ser possível a contratação de CDC, Cheque Especial, Cartão de Crédito, título de capitalização para clientes pessoa física com limites aprovados.

Saques do FGTS / Aposentadoria
Segundo a Caixa, saques de até R$ 1,5 mil podem ser feitos em lotéricas, mas o cidadão precisa estar portando o Cartão Cidadão.  Também é possível fazer o saque pelo serviço dos correspondentes “Caixa Aqui”. Pelos terminais eletrônicos (caixas automáticos e salas de autoatendimento), é possível fazer os saques com o cartão magnético.
Para saques do FGTS acima de R$ 1,5 mil, entretanto, é necessário encontrar uma agência aberta para ser atendido. O mesmo vale para quem não possui o Cartão Cidadão. Há serviços que só podem ser realizados nas agência, como a retirada de cartão magnético. Quem não tem Cartão Cidadão pode solicitar o seguro-desemprego no Ministério do Trabalho, mas não poderá receber até o fim da greve, orientou a Caixa Econômica Federal.

>> No caso de benefícios sociais, pode ser feito o saque de todo o valor disponível com o Cartão Cidadão ou o cartão do benefício. O mesmo procedimento se aplica à retirada da aposentadoria.
>> Segundo a Caixa, dúvidas sobre alternativas de atendimento podem ser esclarecidas pelo telefone 0800-726 0101




Fale com o SAC do seu banco
Entre em contato com o Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC) do banco e pergunte se há alguma outra agência próxima operando que possa atendê-lo. Algumas operações, como pagamentos de contas e transferências podem ser feitas, também, pelo telefone.

Greve longa
A greve nesse ano já é mais longa do que a realizada pelos bancários em 2015, que durou 21 dias. Segundo a Contraf-CUT, a greve mais longa da categoria na história foi em 1951 e durou 69 dias. Nos últimos anos, tinha sido a de 2004, com 30 dias.

>> LEIA TAMBÉM: Fim da greve dos bancários 2016:veja como ficaram as negociações nos bancos; saiba quais regiões do Brasil encerraram ou continuam a greve