Prefeito de Paulínia, secretários e vereadores são levados para depor no Ministério Público em ação da Polícia Militar e MP

seta-voltar-paulinia

policia-militar-prefeitura-paulinia
Ação do Ministério Público e Polícia Militar investiga contrato de coleta de lixo no município

Em uma ação inédita na cidade, uma força tarefa formada por Policia Militar e Ministério Público cumprem na manhã desta quinta-feira (9-nov) mandados de condução coercitiva (quando a pessoa é levada a depor), contra o prefeito de Paulínia, Dixon de Carvalho (PP), secretários municipais e vereadores da cidade. Até mesmo a primeira-dama do município também foi levada para depor.



As investigações são baseadas em relação ao novo contrato de coleta de lixo, dois empresários da cidade são investigados. Policiais e promotores precisaram realizar depoimentos dentro da Câmara de Paulínia devido à quantidade de pessoas que serão ouvidas. Estão sendo cumpridos também mandados de busca e apreensão na prefeitura da cidade e da vizinha Sumaré.

Todo o material apreendido e os investigados estão sendo levados para a sede do Ministério Público, na Cidade Judiciária, em Campinas. No geral, são 44 mandados de busca e apreensão e 11 de condução coercitiva nos dois estados. Estão sendo investigados políticos, familiares deles, prefeituras e empresas.

De acordo com o Ministério Público, as investigações da “Operação Purgamentum” tem relação aos contratos de coleta de lixo em cidades do estado de Minas Gerais e interior do estado de São Paulo.

Assessores
De Paulínia, foram levados para depor o secretário de Obras e Serviços, Valdir Terrazan, e o chefe de gabinete, Reginaldo Vieira. Terrazan foi vereador em Campinas. Ele prestou depoimento e deixou o prédio do MP por volta das 13h45.

Vereadores
De acordo com a Câmara Municipal, o vereador José Carlos Coco da Silva, o Zé Coco, foi alvo de condução coercitiva. Já o gabinete do vereador Edilson Rodrigues Júnior, o Elsinho, foi alvo de busca e apreensão.

Operação, conta com 106 policiais do Baep (Batalhão de Ações Especiais de Polícia), 28 viaturas nesta operação e vários agentes do Ministério Público.