Tragédia em Campinas-SP: cinco pessoas morreram e o atirador se suicidou em ataque na Catedral no Centro da cidade

Ataque a tiros na Catedral Metropolitana de Campinas / Imagem- Folha de SP

Atualização em 12 de dezembro (quarta-feira)

Um dos feridos após o ataque na Catedral Metropolitana de Campinas na terça-feira (11-dez) que estava internado em estado grave no Hospital Mario Gatti, faleceu hoje, dia 12/12- informou a Prefeitura de Campinas, por meio de Nota Oficial. Foram seis mortos,  Sidnei Vitor Monteiro (39 anos),  José Eudes Gonzaga Ferreira (68 anos), Cristofer Gonçalves dos Santos (38 anos), Elpídio Alves Coutinho (67 anos), Heleno Severo Alves (84 anos) falecido nesta quarta-feira (12 dez.) e o atirador Euler Fernando Grandolpho (49 anos) . As outras três pessoas que ficaram feridas, receberam alta dos hospitais e foram liberadas.


Ataque terrível
Uma tragédia aconteceu no início da tarde de terça-feira (11-dez) em Campinas (SP). Um homem matou cinco pessoas e deixou três feridas em um ataque a tiros após a missa das 12h15 na Catedral Metropolitana, no Centro da cidade, por volta de 13:00hs, segundo os Bombeiros, Samu e Polícia Militar. O suspeito pelos disparos na igreja cometeu suicídio em seguida.

Como aconteceu
De acordo com o Corpo de Bombeiros, o suspeito teria entrado na Catedral com uma pistola e um revólver calibre 38, e se matado em frente ao altar após os crimes. O delegado do Deinter 2, José Henrique Ventura, diz que o atirador foi atingido por policiais militares que entraram na igreja após ouvir os disparos. Ele foi ferido enquanto perseguia outros fiéis. Caído, tirou a própria vida.

O atirador
A Polícia Civil confirmou a identidade do atirador como Euler Fernando Grandolpho, de 49 anos, que tem Carteira Nacional de Habilitação (CNH) registrada em Valinhos (SP). O delegado José Henrique Ventura disse ainda que a profissão do atirador era analista de sistemas e que Euler não tinha antecedentes criminais. O atirador morava com os pais, não trabalhava desde 2015. De acordo com Ventura, aparentemente não havia relações entre o atirador e as vítimas.

Igreja lamenta a tragédia
O Monsenhor Rafael Capelato, da Arquidiocese de Campinas, disse que o crime deixou todos abalados e que a comunidade católica de Campinas vai superar a tragédia. O Padre Amauri Thomazzi rezou a missa que aconteceu momentos antes do atirador cometer os crimes e muito emocionado, postou um vídeo nas redes sociais, pedindo que as pessoas rezassem pelas vítimas e também para o assassino.

Ação rápida da Polícia
A Polícia Militar agiu com rapidez pois estava com a segurança reforçada no comércio por conta das compras de Natal. O Major Adriano Augusto Leão – Comandante do 8º Batalhão da PM afirmou que se os policiais não estivem tão próximos e não tivessem feito a ação como fizeram com todo o cuidado, com certeza seriam feitas mais vítimas, pois restaram ainda com o atirador cerca de 28 munições.

A Catedral permaneceu interditada toda a tarde de terça-feira (11-dez) para a realização de perícia. Os investigadores ainda tentam descobrir a motivação do crime. Os seis mortos são homens (incluindo o atirador) e os feridos foram levados ao Mário Gatti, Beneficência Portuguesa e Hospital de Clínicas (HC) da Unicamp.

Luto oficial
Em Nota Oficial a prefeitura informou que o prefeito de Campinas, Jonas Donizette, decretou luto oficial de três dias em razão da tragédia ocorrida no início desta tarde, na Catedral Metropolitana. O decreto já vale a partir de terça-feira, 11/12.