Empresa protocola novo projeto para estádio Brinco de Ouro, agora com 6 torres residenciais

prédio residencial no estádio Brinco de Ouro em Campinas
Após 66 anos, clube terá que procurar por novo local para treinamentos de seus jogadores

Inaugurado em 31 de maio de 1953, o local onde hoje abriga o estádio Brinco de Ouro em Campinas (SP) passará por uma grande mudança estrutural. A empresa Magnum, que arrematou a área o estádio do Guarani há pouco mais de três anos, protocolou na Prefeitura de Campinas um novo projeto de construção urbanística na área, ampliando a capacidade de instalação inicial.



O novo projeto, segundo informou o presidente do Guarani, Palmeron Mendes Filho, contém agora seis prédios residenciais (acima dos dois do projeto inicial), além de um hotel e um centro comercial. A ampliação da capacidade de construção foi obtida a partir da mudança da LUOS (Lei de Uso e Ocupação de Solo), feita em dezembro de 2018.

Segundo Palmeron, a mudança também impactará de forma positiva nos 14% do VGV (Valor Geral de Venda) a que o Bugre tem direito. “Com a mudança, o Guarani receberá cerca de 40% a mais na venda dos imóveis”, comentou o presidente do clube. Palmeron não soube dizer o quanto isso significa em valores. O projeto, protocolado no último dia 1º de abril, caminha junto com o estudo de viabilidade, que é realizado pelo GAPE (Grupo de Análise de Projetos Específicos).

Assim que aprovado o projeto, o Guarani deve definir a área para a construção da nova arena, clube social e centro de treinamento, previstos no negócio. A partir daí, a previsão inicial é de que a obra seja finalizada em cinco anos. As empresas Magnum e Maxion travavam uma briga pelo Brinco de Ouro desde 2014. No fim, a Magnum conseguiu o arremate por um valor de R$ 105 milhões, dando ao Bugre 14% do VGV e mais 130 parcelas de R$ 130 mil ao clube (cerca de 30 já foram pagas). A negociação evitou que a área onde está o Brinco de Ouro fosse à leilão por dívidas trabalhistas.

Ver mais notícias de Campinas e Região