Locais históricos

Locais históricos em Campinas

Escola Preparatória de Cadetes do Exército (EsPCEx)

A Escola Preparatória de Cadetes do Exército é um lugar quase que centenário e sua missão é preparar candidatos para o ingresso na Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN), que é responsável pela formação do oficial combatente do Exército. A escola completou 76 anos em 2016 e, nesse período, já formou mais de 20 mil alunos.

A partir de 2012, a EsPCEx passou a ser o primeiro ano de formação do oficial de carreira do Exército da linha do Ensino Militar Bélico (curso que passou a ser feito em cinco anos), sendo o primeiro na Escola e os outros quatro anos na Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN), em Resende-RJ. Agora a Escola transformou-se em Estabelecimento de Ensino Superior.




O prédio da escola, fica na região da Fazenda Chapadão, e é patrimônio tombado pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Artístico e Cultural de Campinas (CONDEPACC). A construção começou na década de 1940. O edifício tem estilo colonial espanhol, com projeto de autoria do engenheiro-arquiteto Hernani do Val Penteado.

Escola cor-de-rosa
A história sobre a escolha da cor tem início na metade da década de 1970, quando o projeto arquitetônico entrou em fase de acabamento e era necessário pintar as paredes e a Torre, que estavam revestidas de reboco. O engenheiro-arquiteto responsável pela construção, em visita à obra, trouxe a lembrança que esta era a cor das moradias da antiga Fazenda Chapadão, onde a escola foi construída.

As casas coloniais não eram pintadas e apenas revestidas por uma massa obtida da mistura de cal, pó de ostras queimadas, óleo de baleia, sangue de boi e terra. Diante do esclarecimento, o da origem da cor o comandante da escola na época determinou que a pintura do prédio deveria manter a cor rosa, que acentua a preservação da memória das moradias coloniais que um dia existiram na centenária Fazenda Chapadão.

Endereço: Av. Pappa Pio XII, 350, Jardim Chapadão
A escola é aberta para visitação de segunda a sexta-feira das 9h às 17h30 para o público em geral.
Os interessados devem agendar a visita pelo telefone (19) 3744-2042,
Ver rota até o local:


Estação Cultura
Tombado pelo Condepacc, o prédio histórico Estação Cultura já abrigou as Secretarias de Cultura e Esporte de Campinas e é resultado do antigo Complexo Ferroviário. Antes, a Estrada de Ferro fazia o entroncamento viário de diferentes companhias, pois era de lá que partiam ou lá que se reuniam empresas como Morgiana, Ramal Férreo Campineiro e Sorocabana. Pelas linhas férreas passavam sacas de café, maquinários, artigos de consumo e passageiros que viajavam entre a capital e o interior de São Paulo.

Foi entre os anos de 1868 e 1891 que Campinas recebeu os primeiros escritórios, casas de carros e vagões, depósitos de locomotivas, marcenaria, carpintaria e armazéns de café da Companhia Paulista de Estradas de Ferro. Oficialmente a estação foi inaugurada em 1872, e tombada como patrimônio histórico e cultural da cidade em 1982.

Após ter atuado como entroncamento de diversas ferrovias, a Estação Cultura é um dos pontos turísticos da cidade.

Endereço: Praça Mal Floriano Peixoto – Centro
Horário: De segunda à domingo das 8:00 h às 22:00 h
Telefone (19) 3705-8000
Ver rota até o local:


Fazenda Tozan (Monte d’Este)
A fazenda é um Patrimônio Histórico e Cultural datado de 1798, preservado e de grande importância para a história do Brasil. Desde o período do açúcar, a transição para a cultura cafeeira, a abolição da escravatura e a diversificação da produção, a Fazenda foi comprada em 1927 pela família Iwasaki, fundadora do Grupo Mitsubishi, que a preserva até os dias atuais.




O local recebe visitas guiadas para grupos de visitantes e escolas que irão conhecer como era uma fazenda colonial em plena produção de café, além de conhecer uma Fazenda de Café bicentenária e seu funcionamento, assim como o período da escravidão, o período cafeeiro e a imigração japonesa.

Visitas Opcionais
Cultura Japonesa – Imigração Japonesa
O roteiro retrata a história da imigração japonesa no Brasil. Com o auxílio de cenários utilizados na gravação da minissérie japonesa “Haru e Natsu” pela NHK, maior emissora de televisão do Japão, que mostram a realidade das condições de moradia desses colonos e sua cultura.

Estudando o Meio Ambiente
O roteiro incentiva os visitantes quanto a conscientização para a questão da ecologia nos dias atuais e a importância da preservação do meio ambiente para os seres vivos.

Endereço: Rod. Campinas-Mogi Mirim, 121 – Bosque das Palmeiras
Horário: Visitas agendadas
Telefone (19) 3272-8895 – 3257-1236
Ver rota até o local:


Instituto Agronômico (IAC) Campinas
O Instituto Agronômico de Campinas foi fundado em 1887 pelo Imperador D. Pedro II, tendo recebido a denominação de Estação Agronômica de Campinas. Em 1892 passou para a administração do Governo do Estado de São Paulo.

Sua atuação garante a oferta de alimentos à população e matéria-prima à indústria, cooperando para a segurança alimentar e para a competitividade dos produtos nos mercados interno e externo. São 161 pesquisadores científicos e 319 funcionários de apoio. Sua área física de 1.279 hectares de terras abriga a Sede, Centro Experimental Central e 12 Centros de Pesquisa distribuídos entre Campinas, Cordeirópolis, Jundiaí, Ribeirão Preto e Votuporanga, ocupados com casas de vegetação, laboratórios, demais infraestrutura adequada aos seus trabalhos.

As visitas individuais ou de grupos pequenos poderão ser agrupadas em um único grupo em data e horário de acordo com a disponibilidade das áreas de interesse. A

Endereço: Avenida Barão de Itapura, 1.481 – Botafogo
Horário: De segunda à sexta-feira das 8h às 16h
Telefone (19) 2137-0633
Ver rota até o local:


Jóquei Clube Campinas
O Jockey Club Campineiro é um prédio histórico localizado no Centro da cidade, em estilo eclético e com elementos do art nouveau e da neorrenascença, o prédio teve sua construção concluída em 1925 e possui 1.370 m² distribuidos por três andares.




O edifício foi fundado em 19 de setembro de 1.873 por Antônio Egídio de Sousa Aranha, Francisco Elisiário, Francisco José de Camargo Andrade e José Francisco Aranha. Sua praça de corridas era o Hipódromo do Bonfim. Da época da conclusão de sua sede até a década de 1970, o clube viveu um período de muito movimento, sendo palco de festas, recitais de piano, violino e canto das famílias tradicionais, tendo sido também a sede de intensa agitação da alta sociedade campineira.

O prédio foi completamente revitalizado, passando a abrigar além da sede do clube e de um restaurante pré-existente e uma casa noturna. Em 2008, a revitalização do edifício do Jockey Club Campineiro foi concluída com a instalação de um projeto luminotécnico. Atualmente, parte do edifício está sendo utilizado por um Cartório.

Endereço: Praça Antônio Pompeu, nº 39 – centro
Horário(s): Aberto em horário comercial
Telefone (19) 3231-2181
Ver rota até o local:


Mercado Municipal
Um dos símbolos de Campinas, o Mercado Municipal foi projetado pelo arquiteto Ramos de Azevedo e inaugurado em 12 de abril de 1908, seu estilo obedece à arquitetura mourisca (arte hispano-muçulmana). Na área em que está instalado funcionava um entreposto onde o açúcar era depositado e depois levado ao Porto de Santos.




Por ali circulavam também bondes e charretes, que davam um charme próprio ao local. Mulheres elegantemente vestidas e homens bem trajados, com ternos, gravata e chapéus, são imagens comuns em fotos da época. A região era, também, ponto de footing da juventude campineira daqueles anos.

Hoje em dia o mercadão como é popularmente conhecido, é um dos símbolos da cidade. Em seus 143 boxes é possível encontrar uma diversidade de produtos como: verduras, frutos, grãos, temperos, flores, comidas, peixes, ervas e miudezas em geral. Essa variedade contribuiu para atrair e conquistar clientes que buscam por cereais e temperos a granel outros produtos poucos comuns em outros estabelecimentos.

Os comerciantes oferecem aos seus clientes um atendimento diferenciado. Essa relação de proximidades com seus fregueses torna o local um agradável lugar para se conhecer, passear, saborear e fazer compras no centro da cidade. O prédio foi tombado pelo Condepacc como patrimônio histórico e cultural da cidade de Campinas em 24 de novembro de 1982.

Endereço: Av. Benjamin Constant – Centro
Horário: De segunda à sábado das 7:00 h às 18:30 h, domingo das 7:00 às 12:00h
Telefone (19) 3232-3679
Ver rota até o local:


Palácio dos Azulejos
A residência do Barão de Itatiba, Joaquim Ferreira, construída em 1878 é conhecida como “Palácio dos Azulejos”, é verdadeiramente histórica. A construção conta com materiais como mármore e metais, além de que toda sua fachada foi revestida por mosaicos portugueses de estilo neoclássico, dando um toque majestoso ao panorama da cidade. O edifício foi doado pela família do Barão em 1908 para ser a Prefeitura e o Fórum da cidade de Campinas e ficou assim até 1968. Hoje é o local abriga o Museu da Imagem e do Som (MIS).

Endereço: Rua Regente Feijó, 859 – Centro
Horário(s): De segunda a sexta-feira, das 9h às 12h e das 14h às 17h.
Telefone (19) 3733-8800
Ver rota até o local: (mesmo endereço do MIS)


Torre do Castelo
Inaugurada em 1940, a torre tem 27 metros de altura é um dos pontos mais altos da cidade de Campinas. Erguido em um ponto estratégico para o desenvolvimento urbano, O Castelo d’água como era chamado, foi criado para abastecer os bairros que se formavam na região norte da cidade. O local fica em um dos extremos da triangulação geodésica (rede de marcos construídos sobre círculos de altura iguais) da cidade definida pelo plano Prestes Maia de 1938.




Em 1936 o Departamento de Água e Esgotos da época previa a expansão da cidade de Campinas naquela direção, e o ponto mais alto do futuro bairro do Jardim Chapadão foi escolhido para construir um reservatório de águas. Na época o engenheiro Prestes Maia que fez o planejamento urbano de Campinas havia recomendado que fosse construído um obelisco na região, assim em 1939 começa a construção da Torre do Castelo, tornando-se um marco do município.

Em 1972, a Torre foi reformada para abrigar uma sala circular e nova urbanização da praça. Em 1991, o prédio recebeu novas alterações para a instalação do Museu Histórico da Sanasa. Já em 1998, o edifício e a praça passaram por uma grande restauração para devolver as características do início da década de 1940.

Do alto da Torre do Castelo, pode-se conhecer e compreender a cidade com uma visão em 360 graus e aprender com a imensa riqueza cultural e histórica de Campinas.

Endereço: Avenida Andrade Neves, s/n – Praça 23 de Outubro
Telefone (19) (19) 3236-8015 / (19) 3241-6931
Horários visitas de terça a sexta-feira, das 10h às 12h e das 13h às 17h. Aos sábados, domingos e feriados das 10h às 12h e das 13h às 21h.
Entrada: Gratuita
Ver rota até o local: