Cesarianas só devem ser feitas quando realmente necessário, alerta a Organização Mundial de Saúde

detay-cesarianas-so-devem-ser-feitas-quando-realmente-necessario-alerta-a-oms
As cesarianas existem para resolver situações em que o parto vaginal não é possível por possível perigo e sofrimento da mãe ou do bebé

As cesarianas só devem ser aplicadas quando há “necessidade médica” para tal, porque este procedimento cirúrgico pode pôr em causa a saúde das mulheres e dos bebés. O aviso é da Organização Mundial de Saúde no relatório publicado este mês.

As cesarianas existem para resolver situações em que o parto vaginal não é possível por possível perigo e sofrimento da mãe ou do bebé. Mas nos países em que mais de 10% dos partos são feitos através de cesariana (o rácio ideal está entre 10% e 15%) não está provado que isso ajude a diminuir a mortalidade, refere a OMS. Além disso, a cesariana pode causar complicações graves, como infeções, hérnias, hemorragias ou lesões no bebé. A cesariana aumenta o risco de o bebé precisar de cuidados intensivos e de a mãe ter uma paragem cardíaca, salienta o Instituto Nacional de Cuidados de Saúde britânico, destaca o Guardian.

“Estas conclusões destacam o valor da cesariana para salvar vidas de mães e recém-nascidos”, refere a diretora do Departamento de Investigação na Saúde Reprodutiva, citada pela Time. Mas Marleen Temmerman salienta também que “é importante assegurar que a cesariana é aplicada (só) nas mulheres que precisam — e não para atingir uma taxa”. Em conclusão, a organização diz que a hipótese de cesariana deve ser analisada caso a caso, com cuidado.

A “epidemia das cesarianas” está a chegar a grande parte do mundo ocidental. Nos Estados Unidos, por exemplo, o número de nascimentos por via cirúrgica está nos 33%. Em França, as cesarianas representam 21% do total dos partos e no Brasil o número sobe para 52%.